Um ano de viagens: 10 erros na nossa viagem com crianças

Viajar é sinônimo de errar. Todo mundo erra. Veja quais foram os nossos erros para você poder evitá-los! #viagem #erros

Uma imagem prontinha para facilitar um pouco a vida de quem quer deixar para ler depois. Clique no botão vermelho SAVE no topo da imagem para adicionar ao Pinterest!

Completamos nosso primeiro segundo ano viajando agora e, sim, nos divertimos muito, mas também erramos muito. Acredite, a gente errou horrores. Foram muitos erros, mas aqui só vou listar os maiores para que você aprenda com eles e consiga evitá-los.

Aliás, temos uma lista com os primeiros erros que cometemos lá nos primeiros meses de viagem.

* esse post pode conter links afiliados. Se você comprar alguma coisa clicando nele, não vai custar nada a mais pra você, mas nós vamos receber uma pequena porcentagem. 

** esse post foi atualizado em abril de 2018 com os erros do segundo ano também!

Querer ver e fazer tudo

Essa foi, provavelmente, a pior coisa que a gente fez e é a pior para quem está em viagens longas.

É o melhor jeito para fazer todo mundo cansar de viajar e querer ir embora pra casa o mais rápido possível.

A gente fez isso algumas vezes, apesar de saber que a gente precisava de uns dias de descanso. O problema é que nem sempre dá, ou a gente quer muito fazer muitas coisas e decide, deliberadamente, pular o descanso.

Quando a gente quer fazer tudo, o que a gente ganha são crianças e adultos cansados, passeios chatos, dias ruins e, algumas vezes, acabávamos tendo semanas ruins por causa disso. Não vale a pena. Mesmo.

The Giants Causeway is a must-do in Northern Ireland. It's a perfect day-trip from Belfast, and it's great for families! Click for more!

Aqui, na Irlanda do Norte. Lá conseguimos balancear perfeitamente os dias de descanço e de passeio e todo mundo se divertiu muito!

Descobrimos (demoramos, mas descobrimos) que a gente precisa tirar um dia de folga para cada dia inteiro passeado. Folga quer dizer ficar em ‘casa’, mesmo que seja trabalhando ou estudando.

Se a gente só saiu por algumas horas, então ainda conseguimos passear no dia seguinte MAS se saímos por muito tempo, aí no tem jeito! Precisamos de descanso no dia seguinte.

Não encontrar um equilíbrio

Claro, a gente se esforça para que todos se divirtam, para que a educação aconteça, para agradar, ou qualquer outra coisa. Só pare, respire fundo e olhe. Vocês estão se divertindo, mesmo que sejam 3 da tarde e vocês só tenham ido até o parquinho por meia hora? Vocês estão tendo um dia maravilhoso apesar de não terem tirado o pijama e só terem comido pipoca? Eu acredito que, se todo mundo está feliz, o resto não importa muito.

Claro, tentar incluir alguma coisa especial para cada um é legal como eu já falei, mas você não precisa que isso aconteça o tempo todo, em todos os lugares, em todas as viagens. Sério.

Crianças precisam aprender e se divertir e, se o plano é viajar por longos períodos, todo mundo precisa gostar de viajar. Só que, de vez em quando, coisas dão errado ou todo mundo acorda de mau humor. Acontece.

Tem vezes em que a gente não acredita que está fazendo o suficiente ou que uma criança vai acabar se sentindo excluída. Mas não é assim. Procure o equilíbrio, isso é o mais importante.

airport family travel

A espera  sempre chata, e as nos aeroportos são sempre longas – as piores. Mas são um ótimo momento para se fazer alguma coisa que se goste, como ler, jogar, escrever, desenhar, etc.

 

O equilíbrio pode vir de diversas formas, e cada família tem a sua. Para nós, isso inclui cada um ter tempo para fazer o que precisa, o que gosta, e a gente tem o tempo de fazer coisas em família, visitar lugares legais/interessantes/importantes.

E, claro, entender que todos esses momentos são importantes por igual. Recarregar as baterias da maneira que seja, saber que todo mundo fez o que precisa ser feito, tudo isso é importante para se ter uma viagem boa.

Passagens mais baratas

Quando a gente estava começando, compramos um monte de passagens juntas.

Compramos todas, as mais baratas que encontramos. Acontece que algumas delas não valeram a pena.

Vôos às 6 da manhã são horrorosos: a gente precisa estar no aeroporto às 3 da manhã, o que quer dizer acordar às 2 se já se tem tudo arrumado e pronto pra viajar. A gente tentou dormir no aeroporto, dormir pouco, ou nem dormir. Todos foram horríveis. No final dessa compra – que durou até o Canadá, paramos de comprar vôos em horários ruins, mesmo que custem mais.

Carlton Hill is a stunning place in Edinburgh, Scotland. It has some of the best views of the city. Click for more!

Veja aqui o Angelo e 2 das 4 crianças tirando uma selfie com a câmera 360. O Angelo, como adulto, sabe aproveitar mesmo cansado. As crianças, não. Haha.

Vôos noturnos são tranquilos para nós, então até às 2 da manhã dá pra voar. Depois disso, não.
Também decidimos que preferimos chegar no destino durante o dia e que não ter viagens que duram mais de 20 horas é o ideal. Agora, 15 horas no máximo para nós. Pode parecer muito, mas com conexões e entretenimento individual, o tempo voa!

Você conhece seus filhos melhor do que ninguém e as minhas preferências não são iguais às suas. Veja o que  melhor para você e decida. Por exemplo, se seus filhos não conseguem dormir se não for na cama deles, melhor evitar vôos noturnos. Se eles detestam comida de avião, melhor vôos curtos. E assim vai.

Pesquise bem antes de comprar alguma coisa

Esse passo é super importante para qualquer viagem.

The kids and dad walking at the royal courtyard of the amazing Stirling Castle. If you have to choose one castle to visit in Scotland, make it Stirling Castle. It's so well kept that one could probably live there.

Em compensação, viajamos para o Reino Unido no inverno – muito mais barato e vazio! Foi ótimo!

A gente marcou vários vôos sem pesquisar nada, só porque os vôos estavam baratos, e acabamos gastando muito mais do que a gente podia.

Em alta temporada, o preço das casas, hotéis e hostéis tende a aumentar muito. Pesquise, no mínimo, o clima e o preço de acomodação no país na época em que você pretende ir. Para o Uruguai, por exemplo, se a gente adiasse ou adiantasse um mês, daria para ter economizado muito ficando nos mesmos lugares.

Veja aqui as nossas dicas de como viajar pagando menos!

Carregar coisa demais

A gente carregava coisa demais. Muita coisa, mesmo.

Já doamos mais da metade das coisas que a gente carregava no começo, mas ainda temos muita coisa. Ganhamos presentes da família, dos anfitriões, dos amigos, e temos uma ligação emocional com muito do que a gente carrega.

Kids #2 and 4 playing in a park in Yokohama, Japan. Japan is full of beautiful parks all over.

Gastar menos tempo arrumando mala, esperando mala, organizando mala significa mais tempo para aproveitar a vida (ou descansar!)

 

Já faz um tempo que estamos viajando só com mala de mão e eu não posso deixar de dizer como isso tem sido bom! Muito menos tempo nos aeroportos, arrumando mala, menos peso nas costas, e mais dinheiro no bolso.

A gente ficou com medo de faltar alguma coisa, mas não sofremos com nada. Aprendemos a aproveitar o que a acomodação oferece e viver com isso!

Acredite, a gente precisa de muito menos do que acha que precisa!

Comer errado

Quando a gente está de férias, come porcarias, come fora todos os dias, etc.

A gente ainda faz isso muito mais vezes do que o ideal. A gente precisa enfiar na cabeça que isso não são férias, é a nossa vida, apesar da gente se mudar a cada 2 semanas aproximadamente.

Não é saudável nem barato viver assim. Precisamos cozinhar mais, e coisas mais saudáveis. Tenho já várias inspirações no nosso painel Travel Food! no Pinterest!

tea party alice wonderland

Chá com os personagens do filme Alice no País das Maravilhas? Tão fácil comer assim…

Já deu para perceber que comer mal por uma, duas semanas é tranquilo e quase não traz efeito nenhum. Agora, se a gente come mal por mais tempo, é fogo! Ficamos doentes, com alergias, cansados, mal humorados.

Comer bem é essencial, mesmo que seja uma salada caprichada ou um sanduíche com vegetais. Coma bem.

Tênis de caminhada

Compramos depois de quase morrer em algumas caminhas na NZ.

Usamos propriamente algumas vezes, mas na maioria das vezes, foram os nossos sapatos de avião, porque são muito grandes e pesados para levar na mala.

Se você não pretende fazer muitas caminhadas, nem compre um. Qualquer sapato confortável e fechado serve. Se você vai fazer caminhadas, compre. Ou compre e comece a fazer caminhadas, faça valer o dinheiro!

The outside deck with sandals on a rock and a tea set + gardening tools under the deck. It was a great day to also learn how the Japanese in the 80's lived. A visit to Satsuki and Mei's house is a must!

Veja bem, nossos chinelos são Havaianas mesmo, confortáveis porque conforto é essencial. Foto meramente ilustrativa.

Hoje em dia, a gente tem 2 pares cada e tem sido mais que o suficiente. Um sapato mais quentinho ou um chinelo + um tênis é o nosso ideal – só depende do clima do destino!

Leitores digitais

Temos um para cada criança. Eles usaram muito, e eu acho mesmo que foi um dinheiro bem gasto. O problema foi que compramos 2 Kindles e 2 Kobos.

Os Kobos, teoricamente, foram para pegar livros da biblioteca, e os Kindles, porque tinha livros que a gente só encontrava na Amazon.

Veja aqui os preços dos leitores eletrônicos!

O Adobe Reader, programa necessário para ler os livros da biblioteca, parou de funcionar. Os livros da Amazon, hoje em dia encontramos em qualquer lugar.
Deveríamos ter comprado todos iguais, seria mais fácil de compartilhar os livros entre as crianças. Aliás, para a Coral, a gente deveria nem ter comprado, já que ela lê no tablet. Ela gosta das cores dos livros infantis.

packing light

Isso é só parte do que eu e o Angelo carregávamos antigamente. Hoje em dia, não vai nem metade disso!!!

 

Ficar com receio dos médicos e hospitais de outros países

Hora da confissão: eu tinha um certo medo dos médicos em geral, mas ainda mais medo de médicos de outros países.

Na verdade, se você estiver pagando, o cuidado é o mesmo na maioria do mundo.

Usamos hospitais na NZ, Japão, Brasil, Uruguai, Chile, Bolívia e Colômbia e não vimos diferença. Tirando o preço e a língua, claro. O cuidado é o mesmo, as perguntas dos médicos e enfermeiras são as mesmas, os exames são os mesmos e os resultados também. Todo mundo chega às mesmas conclusões.

Veja se é limpo o suficiente e vá em frente! Nós não tivemos problema nenhum!

Uma coisa que nos ajudou muito a superar esse medo foi ter um seguro viagem bom. O nosso é World Nomads e nunca tivemos problema nenhum com reembolsos e eles sempre pagaram tudo.

E quando precisamos, mandamos um e-mail e eles nos indicam os locais próximos que são internacionalmente reconhecidos. Simples!

Ter medo

Se você está saindo do país pela primeira vez, vai dar medo. Ladrões, assaltantes, terroristas, etc. Qualquer que seja o destino, algum conhecido seu vai ter uma história de terror pra contar daquele lugar.

É mais ou menos como quando se está esperando um filho e toda mulher aparece contando uma história horripilante de parto, achando que a violência sofrida naquele momento é o normal.

Na real, você tem grandes chances de não ter nenhuma experiência ruim. A maioria das pessoas não têm, senão ninguém mais viajaria.

During the last years, we've only managed to travel full time because we've made traveling with kids a bit more affordable. Click to read them!

Viajar tem prós e contras. Só você sabe se vale ou não a pena para você. Para nós, com certeza!

Eu ensinei as crianças a carregar as bolsas direito, a ficar alerta o tempo todo, a andar entre mim e o pai, e várias outras coisas. Nunca precisamos. Nenhuma vez.

Até inventamos uma senha para quando alguém visse alguma coisa suspeita – nenhum de nós nem lembra qual era.

Viajamos pela América do Sul por 9 meses e não usamos nada do que eu ensinei pra eles. Nos sentimos perfeitamente seguros em todos os lugares. Dormimos em um trem noturno na Bolívia, tomamos taxis em todos os lugares, ficamos parados na rua jogando Pokémon Go, passamos tardes em lugares públicos fazendo nada com as nossas coisas jogadas em volta de nós, usamos caixas eletrônicos em todos os lugares, etc.

Claro que ficar alerta não é ruim, mas não precisa exagerar.
Enfrente os seus medos, dê a cara a tapa, e você vai conhecer o mundo – com certeza vale a pena!

Para terminar…

Eu espero ter aprendido com os nossos erros, e espero que a gente possa ajudar vocês com eles!

Errar faz parte da vida, não poderia não fazer parte das viagens. Cabe a você aprender e superar os seus erros, e continuar andando!

travel slow

Alguns dos nossos melhores momentos foram assim, fazendo nada

Se inscreva para receber nosso newsletter, aonde a gente divide nossas coisas mais pessoais e ainda dá algumas dicas. Com o cadastro, você concorre a um dos 3 cartões postais que a gente manda todos os meses e recebe acesso à nossa área especial, com as receitas favoritas e mais!

SaveSave

SaveSave

 

SaveSave

SaveSave

SaveSave

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.