Nômade Digital e Turismo

Quando pensamos em turismo, pensamos em férias, certo? São dias em que podemos esquecer do trabalho e das obrigações diárias e apenas curtir o lugar, o momento ou apenas desligar de tudo.

Para a maioria da população mundial a vida é assim, trabalha-se para poder ter férias our finais de semanas livres para turismo, no final sempre fica aquela gostinho de quero mais, nem que sejam apenas algumas horas.

E que tal fazer os dois ao mesmo tempo? Turismo e trabalho. Visitar o mundo todo e ao mesmo tempo trabalhar. Pois é, é isso que fazemos!

Rio de la Plata, Uruguay

Já fazem dez meses que estamos na estrada e mesmo assim, essa combinação ainda assusta. Hoje, enquanto escrevo esse post, estamos em Montevideu no Uruguai. Quando começamos estávamos em Auckland na Nova Zelândia! Já passamos por Japão e Brasil e semana que vem estaremos no Chile e por ai vai (veja aqui nosso itinerário pela América do Sul).

Parece loucura, mas não é. Em dez meses foram apenas 4 países e isso é o que facilita a combinação nômade x turismo. Quando em férias, pensamos em passar poucos dias em certas cidades ou hotéis, gastando o que foi economizado para tal e ao final, voltamos para casa e trabalho relaxados e pensando na próxima.

Para nós, nômades, funciona um pouco diferente. Temos que escolher um lugar que tenha um mínimo de infraestrutura para podermos trabalhar, leia aqui internet estável no mínimo, que tenha um mercado próximo e o mais chave, creio eu, é o tempo que ficará em cada lugar. Na Nova Zelândia, visitamos mais de 15 cidades, mas sempre ficando mais de uma semana. No Japão a mesma coisa, foram apenas 3 cidade em 1 mês, já aqui no Uruguai, apenas 2 cidades em 1 mês.

Mas o que tem a ver o tempo em cada cidade com trabalho e turismo? Tudo! Olha só:

  • Ficando mais tempo, conseguimos negociar um valor de acomodação bem melhor, com isso economizamos dinheiro;
  • Aproveitamos mais a cidade, conhecemos todos os cantos e não apenas os lugares famosos;
  • Não fazemos nada correndo, podemos sair dia sim e dia não;
  • Podemos programar nossa semana de trabalho, reduzindo o tempo de viagens entre uma cidade e outra ou mesmo entre países.

Cada cidade ou país exige uma programação diferente. Pode ser por cause do fuso ou das atividades que planejamos fazer. Hoje, trabalhamos cerca de 5-6h por dia e 1 vez a cada 10 dias, mais ou menos, fazemos um dia de trabalho pesado, onde tentamos adiantar o máximo de coisas possíveis.

Luze e Candelabro

Eu ainda não tenho uma liberdade 100% de horário, muitas de minhas tarefas exigem um contato direto com o cliente e cerca de 4 horas do meu “expediente” tenho que estar conectado e trabalhando no mesmo horário do cliente. Assim, temos que programar nosso dia para que certa hora eu possa estar de volta em casa e começar o trabalho. Por exemplo, agora do Uruguai, estamos 16h atrás da Nova Zelândia, onde fica nossa base e clientes, então qualquer email ou comunicação, temos sempre que pensar que estamos um dia a frente, inclusive nos finais de semana, que mudam de Sábado/Domingo para Sexta/Sábado.

Ah, meus clientes sabem que estamos viajando, então não precisamos nos esconder. Quando todos estão cientes, tudo fica muito mais fácil. A única coisa que pode parecer chato ou inconveniente, é que carrego o celular o tempo todo, as vezes até mesmo o laptop, e sempre que possível, verifico e respondo emails de cliente.

2017 começou bem difícil. Minha cabeça ainda estava em 2016 e demorou para engatar e começar a produzir. Estava no modo turismo 100% e gerenciar o trabalho demorou. Precisei de 1 mês para contornar a situação e correr atrás dos trabalhos perdidos, ou melhor, dos trabalhos que tinha de entregar. Acho que isso faz parte do processo de aprendizagem de como viver uma vida de nômade digital. Nunca tive esse problema e acho que foi bom que tenha acontecido agora, pois podemos planejar ainda melhor nossas viagens e atividades.

Colonia del Sacramento, Uruguay

É isso aí. Acho que não tem segredo. Trabalhar e viajar é possível, temos apenas que cumprir o que acordamos com nós mesmo.

E você, tem vontade de tornar-se um nômade? Não tem coragem? Veja o que escrevi sobre nômade digital!

Aqui eu falo um pouquinho sobre como tornar-se um e se quiser mais informações ou bater um papo, mande uma mensagem! 

“It’s All about the Journey, Not the Destination!”

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta