Ilha Comprida, Cananéia e Ilha do Cardoso, São Paulo, Brasil

Passamos uma semana em Ilha Comprida em novembro de 2016.

São Paulo tem muitas praias, mas as praias do litoral sul não são as melhores. Como a gente estava em Itanhaém (no litoral sul), a gente ouviu que Juréia, Cananéia e Ilha Comprida (a umas 2 horas de Itanhaém) eram lindíssimas, então marcamos um final de semana pelo Airbnb (se você marcar sua próxima acomodação por esse link, tanto você quanto eu ganhamos um desconto!)

ilha comprida são paulo brazil

Ilha Comprida e suas ‘poças’ de esgoto…

A gente marcou uma casa em Ilha Comprida e foi com a minha mãe, irmã, cunhado, sobrinho e primo. A casa ficou bem cheia.
A previsão do tempo era de tempestades durante todos os 3 dias, mas estava errada.

A casa era simples, e a gente já esperava isso, mas além de tudo estava suja e cheirando a lugar fechado. Entramos, abrimos tudo e fomos comprar produtos de limpeza. Ficou melhor, mas ainda assim não foi maravilhoso. As telas das janelas e porta estavam com buracos e a TV estava em um lugar impossível de assistir (não que a gente tenha assistido). Não tinha filtro de água, mas tinha um galão quase vazio sem a base e sem tampa – não usamos. Compramos água também.
Mas era OK, bastante espaço pra estacionar os carros, mais camas, travesseiros e acessórios de cozinha do que a gente precisava. A gente precisou comprar uma esponja pra lavar a louça também.
Estava tudo bem, sabe, a gente ficaria a maior parte do dia fora de qualquer jeito.

cananeia são paulo brazil

Andando por Cananéia.

Chegamos na sexta, lá pras 4 da tarde. Quando a minha irmã e a família vieram, fomos comer. Fomos andando. Gente, andamos por uns 40 minutos. Tinha esgoto pelas ruas, literalmente rios de esgoto. Foi terrível. Foi pior do que terrível com a Coral, que ama poças de água.

A pizza foi boa. Comemos no O Portuga 2 dias seguidos porque era o único lugar com comida vegana (minha irmã e o marido são vegans).

Tinha também uma feirinha na praça perto da pizzaria e a gente experimentou coquinho pela primeira vez. Delícia! Não tinha como dar errado, sendo lascas de coco com açúcar.

No sábado, decidimos ir pra Cananéia. A gente nunca imaginou que seria tão longe. Demoramos mais de 2 horas de Ilha Comprida até Cananéia. Mais. De. Duas. Horas.
Chegamos tão cansados que precisamos relaxar tomando um sorvete. Quando estávamos lá na sorveteria, um cara chegou oferecendo o passeio de barco até a Ilha do Cardoso. Fechamos por R$ 200 o barco todo (pra 11 pessoas).

vultures cananeia brazil

Os urubus – tantos deles!!! Nao conseguimos evitar e cantamos ‘Um Rango Legal’, do filme A Era do Gelo 2

Passeamos e almoçamos até a hora do barco. A cidade é linda. Se não fossem as centenas de urubus em todos os lugares, teria sido um dia maravilhoso.
Quando deu a hora do barco, nosso guia estava esperando por nós. Ele nos levou até o barco – passando por urubus comendo o olho de um peixe morto e vários outros peixes mortos boiando na água. Não foi o que a gente esperava, mas decidimos ir mesmo assim.

Entramos no barco e vimos um colete salvavidas boiando na água solitário e foi o suficiente pra fazer o Zé entrar em desespero. Ele já não gosta muito de água, e aquela bóia foi o suficiente pra despertar o pânico nele. Conseguimos acalmá-lo e ele topou o desafio, mas não relaxou o passeio todo. Felizmente, na volta ele estava todo feliz e solto.

Em uns 15 minutos, vimos os primeiros golfinhos. Eram vários e muito lindos, mas a água estava marrom e a gente só conseguia vê-los quando eles pulavam.

cananeia brazil

Essa viela foi um dos meus lugares favoritos desse final de semana

Junto com a gente, a chuva chegou na Ilha do Cardoso. Não foi o suficiente pra acabar com a nossa alegria. Apesar da chuva e da água marrom, eu, minha irmã e o João fomos nadar. Foi divertido – fazia tempo que não nadávamos. Uma vez um golfinho chegou bem perto da gente, mas logo foi embora. A alegria acabou quando o João e a minha irmã foram queimados por uma água viva.

Apesar de ter sido divertido pra nós, os nadadores, não foi muito legal para os outros, que tiveram que ficar sentados no restaurante todo o tempo. Tinha muitos pernilongos e eles ficaram todos cheios de picadas.

Aprendemos uma lição valiosa: nunca esqueça o repelente.

Para encurtar a viagem para casa, decidimos ir de balsa. O que a gente não estava contando era que a balsa levava para o outro lado da Ilha Comprida. A viagem de balsa demorou uns 5 minutos, mas a viagem de carro…
Saímos da balsa e, para chegar no Boqueirão Norte (aonde era o nosso Airbnb), a gente precisou cruzar toda a Ilha Comprida pela praia. Até perguntamos para uma moça e ela disse que, realmente, a praia era o único caminho. Ainda esperamos pra ver se algum carro normal (não um 4×4) passava, e vimos um, então decidimos tentar.
Foi divertido, mas também tenso.

drive on the beach

Dirigir na areia foi divertido, mas deu um pouco de medo, viu

O pior de tudo foi a quantidade de lixo jogada nas praias. Tinha lixo trazido pelo mar, mas também tinha muito saco de lixo doméstico, mesmo. Tantos urubus e tanto lixo… Foi incrivelmente triste.

No domingo, como estava chovendo e a gente já estava cansado da lixarada, resolvemos ir pra casa.
Foi ótimo passar o final de semana com a família, mas as praias não eram limpas nem de longe. Não valeu a pena ir até lá.

cananeia street são paulo brazil

Em frente à sorveteria: me diga se a rua não é linda?

Vejam nossas caras no final

Você conhece alguma praia que não merece ser visitada?

4 respostas

Trackbacks & Pingbacks

  1. […] gente estava em Cananéia, dando uma volta na praia com a família da minha tia, quando a gente viu o caranguejo […]

  2. […] fomos pra Ilha Comprida – e aproveitamos pra fazer Cananéia e Ilha do Cardoso – não […]

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta