Christchurch, NZ, com crianças

Christchurch centre sheep

Fun sheep at City Centre

Passamos uma semana em Christchurch, em junho de 2016.

Fomos de Kaikoura, onde estava quentinho (18°C) à Christchurch congelante. A coisa mais difícil que a gente teve que fazer foi esvaziar o carro. Gente, eu estava congelada!!! Eu tremia e não conseguia controlar meus movimentos, o que é super ruim quando se tem que carregar coisas pesadas: que aliás, são seus únicos pertences no mundo.

A casa, felizmente, tinha aparelhos de aquecimento suficientes, incluindo alguns edredons, que foram usados enquanto a casa não esquentava. Passamos uma semana lá. Estava tudo limpo e confortável e a casa era enorme, a maior que a gente “teve” até agora. Como era grande, demorou um bom tempo até esquentar, mas depois que estava quentinha, foi uma beleza. Era bem completa, com espaço na geladeira, inclusive. E tinha forno! Não sei nem dizer quantas vezes a gente usou, acho que uma vez por dia, pelo menos. Os meninos amaram o Play Station. Mas sempre tem um lado ruim: recebemos a visita de 3 camundongos. Eles não fizeram nenhuma sujeira pela casa, nem mexeram na comida, o que me faz pensar que eles só estavam lá pelo calor.

Imagination Station, Christchurch

Imagination Station, Christchurch

Preciso começar dizendo que a gente precisaria de MUITO mais que uma semana para conhecer Christchurch. É uma cidade grande, com muita coisa pra se ver e fazer. Infelizmente, a gente só tinha uma semana.

Enquanto estivemos lá visitamos:

Thompson Park: dava para ir pra lá andando da casa onde ficamos. É um parquinho bem completo, bem divertido. Tem os brinquedos de parquinho (escorregador, balança, tirolesa, trepatrepa, etc), um parque de skate (e patinete e bicicleta), um campo de rugby touch e umas árvores muito legais para se escalar. Daria para passar um dia inteiro lá.

Imagination Station: imagina uma sala enorme cheia de lego jogado no meio. Agora imagina uns 20 iMacs que você pode usar à vontade. Agora imagina você não precisar recolher nada depois e não ter medo de pisar nas pecinhas de madrugada. Bom, é isso. O espaço é limitado, então, quando está cheio eles pedem para que as pessoas não se demorem, mas quando fomos estava vazio e a gente pôde ficar um tempão. Mesmo assim, Angelo, Melissa e Coral sempre encontravam uma coisa nova para fazer e não levantavam pra ir embora!

Margaret Mahy Playground, Christchurch

Margaret Mahy Playground

Margaret Mahy Family Playground: o melhor parquinho do mundo! Pelo menos dentre os que a gente viu até agora. Ainda está em construção, mas já é o máximo! O escorregador é gigantesco, cabem 5 adultos tranquilamente escorregando juntos. Eu fiquei até triste em ir embora, mas já estava muito frio. Pena que a gente foi depois do almoço.

CDB walk: uma caminhadinha curta e a gente viu um centro incrível! Vimos prédios super danificados pelo terremoto, vimos ovelhas coloridas de metal, instalações de espelhos onde ssoas de várias idades se divertiam, ruas maravilhosas, parques… Enfim, um lugar muito lindo, perfeito para se perder um pouco!

Governors Bay: uma baía lindíssima. Chegamos quase no pôr do sol e passamos um bom tempo lá, porque não queríamos ir embora, mesmo congelados.

Christchurch's flying fox

Thompson Park’s flying fox

Aí chegamos nas comidas que experimentamos!

Auntie Dai’s Dumplings: foi o primeiro lugar onde comemos (depois do Burger Fuel…) e só vende gyozas (pastelzinho chinês) e nikuman (pão recheado). Comemos MUITO. Tudo muito bom.

Dimitri’s Souvlaki: a gente nunca tinha comido souvlaki antes, mas como um amigo recomendou, resolvemos experimentar. É quase um churrasco grego, enorme e MUITO bom! Comemos muito! Até a Coral, que é toda fresca pra comer, comeu e adorou.

She universe: esse vai ser longo! Dá uma olhada no menu. Ele não funcionou muito bem aqui no meu computador, mas mesmo assim, eu queria muito ir. Eu queria comer basicamente tudo do menu. É uma chocolateria e um restaurante. Precisa mais? Os pratos principais que a gente experimentou foram todos muito bons. MUITO bons. As sobremesas foram gostosas, mas acho que eu preferiria repetir o salgado de novo. 😛 Foi o lugar mais caro onde a gente comeu, mas gente… que delícia! Salada com chocolate? Sim. Muito, muito bom.

E, por último, fizemos algumas compras:

Dress Smart: é um outlet das lojas que se encontra em shoppings normais por aqui. Melissa cresceu demais nesse último ano e precisava urgentemente de uma calça nova. Fomos lá. É bem menor que a versão de Auckland, mas ainda assim funciona.

Re:Start Mall, Christchurch

Re:Start Mall

The Drawing Room: encontramos essa loja enquanto vagávamos pela cidade (mais pecisamente, procurando por uma vaga pra estacionar o carro). Ficamos todos loucos lá dentro. É uma loja de materiais de arte, mas gente, cada coisa mais linda! Eu sou TARADA por canetas, lápis e cadernos, e as minhas crianças são iguaizinhas. A gente queria basicamente, tudo. Ainda bem que a gente não é rico, então teve que se contentar em 2 cadernos (da promoção) de pintura pra Coral e pro Zé e lápis de cor pretos pra Melissa.

Re:Start Mall: compramos os cartões postais ali! A gente só foi pela comida, mas aproveitamos a viagem. É um shopping com lojas feitas em containers, que veio depois do terremoto que destruiu o centro da cidade. A ideia é bem legal e o shopping ficou bem bonitinho. Só que, como disse o João, não é para dias chuvosos, já que é a céu aberto. O estacionamento ali também é caríssimo!

New Brighton Pier, lighting up like a rainbow

New Brighton Pier, lighting up like a rainbow

Eu tenho uma reclamação: encontrar uma vaga de estacionamento era super difícil. E só.

Na semana que ficamos lá, o tempo ficou lindíssimo, não tivemos nenhum terremoto, todos os lugares onde comemos foram muito bons, e foi tudo muito gostoso. Eu AMEI Christchurch!

É um lugar tão lindo, eu adoraria voltar com mais tempo….

Abaixo, o nosso vídeo de Christchurch!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta